Páginas

Clown, Corpo e Linguagem

A linguagem está presente na vida de todos os indivíduos, nas mais diferentes culturas existentes. Todos, de alguma forma, ocupam-se da linguagem com maior ou menor importância porque ela é de domínio individual e ao mesmo tempo de domínio coletivo. Da mesma forma, o Clown, esse intrépido indivíduo às avessas, parece estar presente nas mais diversas sociedades, encantando, divertindo, compartilhando com cada um dos seus espectadores momentos de cumplicidade por meio da alegria, do erro, da graça, de risos e de lágrimas, enfim, por meio de um corpo-linguagem.
No momento em que faz uso desse corpo o clown tem um encontro verdadeiro consigo e com os seus interlocutores. O clown vai adquirindo o conhecimento de si na medida em que se revela, na medida em que procura conhecer o outro, em que procura conhecer o grupo com o qual interage. Daí o corpo linguagem do clown ser o instrumento entre ele e o mundo ao seu redor, mostrando-nos que a linguagem está completamente incorporada na vida de todos os indivíduos, no corpo de todos os indivíduos, de todos os clowns e de todas as platéias... (leitura completa)

Imagem: Arquivo AM034

18 comentários:

Luli disse...

Amores! Aqui em Caxias do Sul teve o I EEPA - I Encontro Estadual de Palhaços, e, coisa de clown, teve nariz de todo lado, até de fora do Brasil - mandei o blog pra todos... Ahhh, teve uma salva de palmas p ti, mãe Caixinha, e alguns, eu inclusive, o fizeram em pé - foi lindo! Gracias mil pelo estudo maravilhoso que divedes conosco. Bj saudoso em todos: mano Gergelim, afilhado Graxeira (?Seu Clowndio?) e p ti, minha linda. Amo vcs. D Magdala

Ana Wuo disse...

Luli, querida Magdala do coração! A melhor coisa do mundo é saber que essa imagem " nariz vermelho de todo lado" foi gerada pela D.Caixinha, a grande mestra de toda essa transgressora confusão palhaça. Ela deixou inusitados herdeiros em mais um rincão do céu, sol, sul...Ouve o conto gauchesco e brasileiro desta terra que eu amei desde guri.... ouve o riso dos resistentes clowns da EEPA Caxias que muito me fizeram rir... de alegria diversão, bagunça, brincadeira, jogo, bobagem, descompromisso, nonsense, palhaçada, clownice, clownesse, pilheria, paspalhice,Auimaué!

Luciano disse...

Saudades da Dona Magdala, maninha querida, dos nossos ensaios no apartamento lá em Taquara, das conversas animadas, das malinhas com as nossas tranqueirinhas, do nosso caderno de anotações, dos narizes vermelhos sendo colocados...
Bjs Magdala, bjz Caixinha.

Genifer Gerhardt disse...

Oi Ana!
Ah, sim, a passagem por aí foi bem rápida.. Mas, se tudo der como o planejado, nas próximas andanças vou incluir uma parada por aí, pra conhecer essa tal "mãe Caixinha"! rsrsrs

Um abraço

joice disse...

A experiencia de assistir a caixinha e o gergilim,foi muito rica e importante,para nós "baby clowns".
É impressionante como a sutileza das pequenas coisas criam o espetáculo,o jogo e envolvem tão bem o público na mesma energia. O olhar,os pequenos gestos,na grande maiora do espetáculo, são mais importantes que fazer grandes performances.

fernanda disse...

Conhecer a Caixinha e o Gergilim foi demais de mais! Ficou claro que sem pressa e sem compromisso, faz-se muito rir! E a linguagem, atraves do olhar, não precisa ser falada quando é gritada... E que continue o contagio de sorrisos, risos, gargalhadas!

Richard Palluce Moita disse...

Um mestre e amigo me disse uma vez:
"Falar e fazer são prata, ver e ouvir são ouro". E como um bom clown, nada melhor que assistir esta dupla que muito me ensinou. O pouco se torna muito, o tempo que nós iniciantes queremos que se passe com o piscar de olhos nos é mostrado como aquele que tende a ser quase infinito (claro, se nos fosse possibilitado). Realmente, espero velos mais vezes e conseguir no mínimo um décimo de risadas coletadas daquele dia.

Petrrônio de Glúteos

TIAGO disse...

NASCER "CLOWN" ?

PARECE MEIO ASSUSTADOR DESCOBRIR UM MUNDO ESCONDIDO DENTRO DE VOCÊ MESMO...ACRETIDO QUE SEJA UM RENASCIMENTO...POIS TODAS AS SENSAÇOES, EMOÇOES E SENTIMENTOS DEPERTADOS JÁ EXISTIAM...POREM ESTAVAM TODOS BEM ESCONDIDINHOS...E A CADA AULA VIVENCIADA SE REVELA UM POUQUINHO DESSE MISTÉRIO!

Guilherme Muchale disse...

Prezada Ana,
Participo de um grupo de voluntários que utilizam o clown em hospitais aqui de Fortaleza. Gostaria de saber como é possível adquirir sua tese de doutorado, uma vez que ela encontra-se indisponível para visualização no site da Unicamp.
Estou lendo sua dissertação de mestrado e tenho que dar os parabéns por um trabalho tão brilhante!

Cah Milani disse...

Tiboca adorou passear de ônibus!

TIAGO disse...

olá pessoal...fiquei sabendo que hoje teremos piquenique...é necessário levar alguma coisa????

Werner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Werner disse...

Onde a alegria está?

talvez não no apresentar ou representar, mas no improvisar e se relacionar;
não no grande mar, mas no universo de si mesmo mergulhar;
às vezes não no simplificar, mas no complicar;

talvez não no belo, mas no enfeiar;
não só no riso e no sorriso, mas no chorar e no olhar;
não só no real, mas no imaginar,

talvez não no fazer o outro rir, mas no todos gargalhar;
não nas certezas, mas no perguntar;
não no ser, mas no estar;

talvez não no crescer, mas no apoucar
não no estreitar, mas no alargar;
não no esconder, mas no revelar;

talvez não no ir, mas no voltar;
não no pensar, mas no explorar
não no achar, mas no procurar

talvez não no buscar, mas no desatinar
talvez em nada disso, mas no jogar
não no reprimir, mas no libertar!

Onde a alegria está?

Talvez em qualquer lugar entre o palhaçar,
onde não há palavras pra explicar,
e essas rimas bobocas que não param de rimar.

Luli disse...

Werner... brincar de poetar é o que basta para me alegrar... valeu o sorrir que fez brotar em mim o teu improvisar... bj no nariz

Fritadinhò disse...

O Werneer disse: Uma vez quase morri...daí nasci de novo... mas, acredite, nascer clown às vezes acho tão ou mais transformador...
Qto ao q Fritadinhò acha de nascer clown pode ver o orkut dele:
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=18401535397388385746 (tem q estar logado)

ou ir na comunidade da disciplina para achá-lo...abs

Danilo Poso Volet disse...

A linguagem do clown não é somente falada. Ela é simplesmente feita, seja por ações, gestos ou simples olhares, assim como uma criança de 1 a 2 anos de idade, que se expressa de várias formas pra tentar passar a sua mensagem.

Ana Wuo disse...

A todos os palhaços que fazem rimas, aqueles que falam sem falar, riem sem ter razão, improvisam sem pensar, compartilham as bobagens sem censura, adultos espirituosos os meus singelos agradecimentos por mais um encontro . Ralerou!

Thiago disse...

Fessora! Sinto falta de alguns escritos acá. Tenho acompanhado o blog. Não vou poder continuar nesse semestre agora o clown, mas pretendo continuar no proximo.

Abraços,

Thiago