Páginas

Nomes e identidades


O clown recebe o nome após o nascimento e de acordo com suas características físicas ou de personalidade. O nome finaliza uma etapa do ritual de iniciação. Nomear é complementar a imagem verbal . É dar uma identidade ao clown
Coloco aqui alguns nomes dos iniciados, escolhidos aleatoriamente nos cursos, somente para exemplificar: Dona Coxilha (coxa grossa), Porcarelha (gordinha com cara de porquinha), Galíngula (misto de galinha delicada com escrotices), Acássia (amarela como uma flor), Patativa(aquela que dá patadas, mas que é romântica), Veia-Lâmbida (quando fica brava, tem as veias crescidas, tem um cabelo escorrido e uma cara lambida), Pleura Imaculada (não sabe se existe, nem o que quer), Classic (de modos elegantes), Soresperança (espera que tudo dê certo), Dentina (dentes destacantes, muito risonha), Florentino Libra (bancário aposentado que mantém a postura corporal ereta, mas que tem o coração de nordestino, sempre voltado às belas flores, de todas as idades), Chimia Bóia (doce como uma *chimia e redonda como uma bóia).


* Como é chamada a geléia no Rio Grande do Sul.


Texto e imagem (Turma AM034 - 1º Sem. 08), por Ana Wuo.

9 comentários:

Picles disse...

Tsumi... "posso sumir agora?"

Ana Wuo disse...

Tsumi...Vc acha que é hora?

Larissa disse...

Quando pensei em um nome, achei que seria importante a sonoridade dele. Gostei de CHIRICA, talvez venha de mixirica, que eu gosto bastante...não sei...
Achei que chirica seria um nome legal. Mas CHIRICA-POCA ficou muito melhor! Eu sentia mesmo que faltava alguma coisa quando pensava em só chirica...Era o poca, que nem pipoca.
Gostei muito do meu nome e de ter um irmã POCA!

Luciano disse...

E assim, eu nasci! Gergelim, todo bobo, todo prosa... Manhã fria, em Porto Alegre, com outros irmãos queridos: Magdala, Classic...
De lá para cá, assisti a tantos outros nascimentos. Tantos irmãos. Quantas alegrias, bobicies, risos e lágrimas.
Bjão Ana.

Ana Wuo disse...

A irmandade clownesca é fato. Como disse Luciano " as bobices" são criadas somente em família. Vcs agora são parte de uma família formada na disciplina com aproximadamente 130 clowns. Quanta alegria e criatividade essa turma está produzindo para construir um mundo mais interativo e repleto de diversão. Nossos passeios para o estudo do meio tem gerado descobertas inusitadas e atraído muitos olhares de todas as partes da Unicamp ...Parabéns paspalhos voces venceram a resistência da platéia!

Filipe disse...

Olá companheiros de palhaçadas!! Quero contar para vcs a palhaçada q o Esguicho me fez cometer na última aula, dia 27.
Eu cheguei um pouco atrasado na última aula e vi todo o pessoal saindo do ginásio qdo eu estava chegando. Deu tempo de perguntar para uma das irmãs Poca para onde todos estavam indo, ao q ela me respondeu q iriam pegar o circular interno e dar uma volta pela Unicamp. Pedi q avisasse avisar a prof. Ana q eu iria me trocar rapidinho e já encontrava com todos, mas acbou não dando tempo... Foi a partir daí q o Esguicho dominou a cena, ME dominou e entrou em ação! Parei no ponto e fiquei esperando o próximo circular interno, enquanto isso o Esguicho apreciava toda a situação, nova para ele e, sem q eu percebesse, foi tomando conta de tudo... Resultado: saltei para dentro do ônibus q vinha, por ironia clownesca, com dois palhaços bem na frente, com as suas caras maquiadas e sorridentes me atraindo a atenção e, obviamente, me convidando para se juntar a eles. Subi na maior empolgação o ônibus, mas, ao olhar a minha volta, nenhum palhaço... Ué?? Olhei lá pra frente e vi os dois únicos palhaços do ônibus e que eu não conhecia ao lado do motorista. Hesitei alguns momentos, meio embaraçado, mas resolvi entregar de vez a situação pro Esguicho, porque para ele era mais fácil enfrentar tudo aquilo, ele tirava de letra e eu iria sofrer à toa... "Oi, por favor, para onde está indo o ônibus?" Primeiro o olhar de interrogação veio de volta, depois a resposta; "Para a Moradia." "Ah tá, muito obrigado" Palhaço Esguicho vai sozinho passear?!?! Foi uma grande emoção!! De repente sentia tudo, a vida ali naqueles momentos tinham uma leveza inacreditável!! É assim q o palhaço vê e sente o mundo... Que barato!!! Devo essa experiência maravilhosa à vc Esguicho, valeu meu irmão!! E valeu também à vc Ana, a nossa mãe de criação!!

Harley 071112 disse...

Nomes e identidades

Sempre acreditei que os nomes que são atribuídos carregam algum tipo de característica especial. Não estou me referindo ao fato de a palavra estar ligada ao que ela nomeia - sou linguísta e acredito na arbitrariedade do signo linguístico. Acredito no nome próprio, no 'nome de batismo', se assim se quiser chamar, como portador de traços - mesmo que inconscientes - de uma essência que transborda o ser e vincula-se ao nome de batismo. Todo ser que ocupa a materialidade possui um nome próprio que, de uma forma ou de outra, acaba conferindo a esse ser um espaço único.

Pepídio Joca. Eu já conhecia esse nome. Não foi inventado por mim. Meu irmão mais novo o inventou para brincar com seu mundo. Ele o usava para 'filtrar o mundo'. Ouvi-o muitas vezes, nas mais diversas ocasiões... Plágio? Não. O clown quis esse nome. Achou bonito. É um belo filtro, não acham?
Pépídio é um clown-menino. Tem vergonha dos adultos como uma criança. Os clown-adultos deixam Pepídio meio nervoso... Ele se esconde, olha... Pepídio fala pouco. Está aprendendo a falar... Falar feito um clown-adulto não é das tarefas mais fáceis, até por que Pepídio é 'um da espécie', mas Pepídio é bicho-individual...
Pepídio é uma clown-criança... Por isso um nome de criança... No final das contas, as crianças sempre se entendem...

Amanda disse...

Eu que sempre achei legal ver o mundo todo colorido atrás do papel celofane...virei a Celofânia.

Ana Wuo disse...

Os nomes nomeiam como mágica o mundo clownesco. O clown começa a vivenciar o mundo produzindo deleites subjetivos , inquestionáveis, experimentais, essenciais ao ser humano. Quem experimenta o mundo com muita precisão, deixa de olhar os experimentos mundanos... deixa de olhar o mundo por detrás do papel celofane, deixa de olhar o mundo como um clown-menino,um clown Pepídio, um Palomar...